Ressignificar é preciso, pessoal e profissionalmente

Ressignificar é preciso, pessoal e profissionalmente

O ambiente em que nos encontramos atualmente traz inúmeros desafios pessoais, profissionais e empresariais. Aqui destaco os estudos que desenvolvo sobre o ecossistema do mercado a partir da quarta revolução industrial (fintechs e insurtechs), aliados à aplicação da lei da liberdade econômica com a ideia do estado mínimo, ou seja, mercados autorregulados e com menor intervenção governamental, além de um modelo previdenciário social que direciona boa parte da população brasileira economicamente ativa para a formação de reservas financeiras próprias.

Todos sabemos que a profundidade das transformações na sociedade, na economia e no mundo de negócios coloca muitos CEOs, dirigentes, gestores, empreendedores e intraempreendedores em posição de absoluta necessidade de adaptação tanto em questões de caráter comportamental como empresarial, pois as mudanças, reiteradamente, impactam a forma como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos.

A transformação tecnológica e comportamental é significativa e reconfigura mercados tradicionais de trabalho com as exigências de inovação e disrupção. As novas tecnologias resultam em um novo ambiente profissional, cada vez mais autônomo e baseado em empreendedorismo.

A participação da tecnologia e a transformação digital são os principais vetores para a construção de empresas cada vez mais competitivas e mais rentáveis. Vale lembrar que a transformação digital não somente diz respeito à tecnologia, mas também às estratégias e a novas maneiras de pensar e agir. Quem não aderir à transformação digital estará “fora jogo”.

Diante desse cenário, pergunta-se: o que fazer?

A primeira ideia diz respeito diretamente à gestão comportamental, pois a inovação e a criatividade são as principais exigências de performance. É preciso criar mentalidade empreendedora e trabalhar com inteligência emocional para mudar as atitudes e a forma de pensar.

Segundo relatório Future of Jobs Report do World Economic Forum, as três competências e habilidades ranqueadas em um cenário cada vez mais competitivo até 2022 são: pensamento analítico e inovação; aprendizagem ativa e estratégia de aprendizagem; e criatividade, originalidade e iniciativas. Válidas para planos de carreiras intraeempreendedoras e, também, para carreiras empreendedoras do mercado.

Nesse contexto, muitos empresários diante da inovação se veem paralisados, porque desconhecem os meios para mudar a sua atitude; outros ignoram a necessidade de inovar, pois consideram que é assunto somente para grandes empresas, e não para o seu pequeno ou médio negócio; por fim o grupo que reage de forma a mudar tudo, e a todo custo, jogando fora aquilo que não tem caráter tecnológico, mas sem o devido planejamento e gestão estratégica adequada.

Assim, é fundamental que, além das chamadas soft skills (habilidades interpessoais)para atender ao exigente mercado de trabalho, devemos considerar uma evolução também muito significativa no comportamento de consumo da sociedade. Consumidores definitivamente conectados por meio das redes sociais e rápida acessibilidade, considerados a partir de 2020 onipresentes em razão da multiplicidade de canais e aplicativos diversos.

Portanto, exige-se a adoção de ferramentas de planejamento estratégico e empresarial que permita a utilização de posicionamentos híbridos, isto é, aqueles que se referem a processos analógicos e digitais.

Recomenda-se a realização de planos de ação com horizonte de curto prazo, uma vez que as incertezas, neste momento econômico e social, ainda são predominantes. Estabelecer metas de curto prazo pode contribuir para a construção de um crescimento empresarial mais sustentável.

Não podemos nos esquecer das estratégias de negócios e posicionamento digital, por meio da “inclusão digital”, da correta utilização das redes sociais, de uma clara comunicação com o mercado-alvo constituído de clientes persona e pela geração de marketing de conteúdo, observando o novo ciclo e funil de vendas.

A esse planejamento, adiciona-se um processo de gestão organizacional sistêmica, de recursos tecnológicos, financeiros e de pessoas para garantir a consecução dos objetivos empresariais e a obtenção da rentabilidade esperada.

Desafios comportamentais, gerenciais, estratégicos, digitais, processuais e organizacionais. Esse é o jogo! Quem estiver melhor preparado, com inovação e disrupção, vencerá!

Eu ajudo pessoas e empresas a desenvolverem as novas competências e habilidades comportamentais e a transformarem tecnológica e digitalmente seus modelos de negócios.

Ressignificar é a ação mais urgente no âmbito de seu desempenho profissional e pessoal.

Se você tem dúvidas, permito-me parafrasear Aristóteles: “A dúvida é o princípio da sabedoria!”

Vamos conversar mais sobre o assunto? Me chame pelo whatsapp (31 – 99129-4715) ou no e-mail: mauriciotadeu@waysgestaoempresarial.com.br